ANO 9 Edição 99 - Dezembro 2020 INÍCIO contactos

Helena Barbagelata


Ahava    

Diz-me, onde estarias há não muito tempo, nós, os filhos de ninguém, a dádiva do hoje já foi um borrão, uma pústula, nos panfletos do ontem, uma intersecção, malquista, de adjectivos diabólicos, diz-me, usar-te-iam como modelo, eugénico, como a fototipia, estampada da irreal prógenie da pátria, só para que corrida a tela final, te cortassem os arianos cabelos do ouro escorchado das minas de Ofir, vendendo cada cacho para costurar uma peruca, jude, que ornasse a cabeça careca e putrefacta de todos os poderes, onde estarias;

Processionando o teu escafismo pelas ruas, com a nuca rasurada, humilhada, roja, e o engasgo do rícino a arder pela garganta, vinde ver, a desfilada, da miséria herética do teu corpo estuprado, por mil artilugios medievais, mutilado, excrementado pelas praças, entre aplausos e urros, despejada a tua carne exposta, de cara ao sol, a gangrenar salmos de arrependimento;

Onde estarias, se lenientes, deixar-te-iam tocar a tua própria marcha fúnebre, apátrida, encaixar o violino do teu avô por uma última vez, na reentrância dos teus ombros vazios, com o praguicida a estertorar o teu sopro, e um coro de vozes moribundas clamando em crescendo, a agarrar-se às paredes das câmaras, para que não as levasse a morte, e o teu coração, chamuscado, atirado para dentro de um saco como uma barra de carvão, a aquecer as lareiras dos senhores da guerra, um pedaço entre os pedaços, assim te indiciam as crianças nas cartilhas das escolas;

Levar-te-iam no camião do gado, com o lombo inflamado pelos ferros de marcar, tempo atrás de tempo, anarquista, queimando rótulos e códigos de barras de ignorância, na carne de qualquer inocente, de qualquer forasteiro, sentenças premeditadas e contagens decrescentes para o abismo, o trabalho liberta, mas nós, estamos a acender os nossos círios antes do sol se pôr, enquanto a música desalgema o peso da semana dos nossos tornozelos, e todo o trabalho é proibido,

E um dilúvio de danças coloridas inunda o largo como uma onda perpétua, e a nossa canção de liberdade, ascende soerguida sobre as vossas ordens, como uma carta de manumissão rubricada pela alma mesma,

Só o amor poderá libertar-nos

Só o amor poderá

Só o amor.

 

 

Helena Barbagelata (1991). Modelo, artista multidisciplinar e activista. Estudou Política, Literatura e Filosofia. Recebeu vários prémios e bolsas internacionais, da Onassis Foundation/Universidade de Atenas, Universitat  de Barcelona, Università degli Studi di Trieste, entre outras. Desenvolve trabalhos em pintura, ilustração e escultura, tendo sido exposta na Europa, América do Sul, Estados Unidos e Australia. Helena é também curadora e colunista em diversas publicações literárias.

TOP ∧
InComunidade

Revista InComunidade, Edição de Dezembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Dezembro de 2020:

Henrique Dória, Álvaro Alves de Faria, Adán Echeverria, Adel José Silva, Antônio Torres, Artur Alonso Novelhe, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte Rodrigues, Décio Torres Cruz, Dalila d’Alte Rodrigues, Denise Emmer, Edson Cruz, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Flávio Sant’Anna Xavier, Grupo Estilingues, Helena Barbagelata, Henrique Dória, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Leila Míccolis, Lindevania Martins, Luís Filipe Sarmento, Mário Baggio, Mônica de Aquino, Marcelo Frota, Marco Antonio, Marcos Pamplona ; Helena Barbagelata, ilustração, Marinho Lopes, Myrian Naves, Nilma Lacerda, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Rogelio Pizzi ; Rolando Revagliatti, entrevista, Waldo Contreras López, Wil Prado, William Vanders, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

SALVADOR DALÍ, 'La persistencia de la memoria', 1931.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR