ANO 9 Edição 99 - Dezembro 2020 INÍCIO contactos

Flávio Sant’Anna Xavier


A democracia cansada    

Um dos vezos da política brasileira é analisar os pleitos eleitorais já projetando os próximos. Neste imenso território, as eleições municipais voltam-se aos problemas cotidianos dos eleitores, num ambiente onde as questões ideológicas não se apresentam como fundamentais nem tampouco as alianças obedecem a tal lógica. No interior profundo por vezes se digladiam apenas dois grupos, onde a alternância é o grande debate, quando de fato ele existe.

No entanto, nas grandes cidades, desde muito tempo, é possível que alguma intrusão das questões mais nacionais ocorra, mesmo porque a capilaridade de cada partido também repercute numa eleição mais geral, inclusive a presidencial. Na época da ditadura, por exemplo, a vitória esmagadora do MDB era o prenúncio do esgotamento do modelo autoritário.

O que chama atenção no último pleito municipal foi a elevada abstenção. A pandemia da covid-19 foi decisiva para que grande contingente não exercesse seu direito ao voto. De um lado o risco para alguns grupos mais vulneráveis, mas também forte e crescente desencanto diante de uma democracia fatigada. Em alguns importantes centros, como São Paulo e Porto Alegre, a abstenção chegou a 30,8% e 33,8%, respectivamente. No caso de SP o índice superou o recorde histórico e na capital gaúcha ela foi a mais alta do país, em parte pelo grau de idosos em sua composição.

Afora tais questões, a facilidade na justificativa do voto, agora possível com o próprio celular, atacam o voto obrigatório e burlam o comando legal, um dos cânones da democracia brasileira.

Apenas olhando os números de eleitos verifica-se o enxugamento da participação petista no eleitorado. Há outros números comparativos, porém basta verificar que o PT não elegeu nenhum prefeito de capital, fato inédito desde a redemocratização. Há o caso emblemático de São Paulo, onde o candidato petista, ungido pela máquina partidária, teve votação pífia, em contraponto à passagem de Guilherme Boulos (Psol) para o segundo turno, em chapa pura e com mais de dois milhões de votos.

Aliás, no campo da esquerda o PSOL foi o grande vencedor. Formou bancadas nos principais legislativos do país (dobrou o número), numa semente muito próxima do PT em seus primórdios, galvanizando apoios e representações importantes, como o movimento negro e o feminino, a maioria através de mandatos coletivos, o que é uma novidade no sistema legal e eleitoral. Também elegeu o primeiro prefeito de capital num Estado importante (Pará).

Também o PSB e o PDT mantiveram posições importantes, principalmente no Nordeste, se transformando, junto com o PSOL, na alternativa mais forte ao governo Bolsonaro nas próximas eleições presidenciais, ocupando o recuo do PT neste campo político. Mas analisando o número de prefeituras, registraram diminuição, ainda que moderada.

Mas não somente o PT foi o grande perdedor neste pleito. Também as forças mais à direita, vinculadas a Bolsonaro, tiveram uma votação insignificante nos grandes centros. A maioria dos candidatos apoiados, explicitamente por Bolsonaro, naufragou nas urnas, dando conta da pouca influência eleitoral do Presidente.

O que se viu foi enorme avanço da chamada centro-direita (MDB, PP, PSD e DEM), que formam o chamado “centrão”, reconhecido pelo fisiologismo e adesismo. O MDB, embora tenha eleito o maior número (251) de prefeitos, diminuiu sua participação, devido ao avanço principalmente do PP, PSD e DEM, este o que mais cresceu em números absolutos na comparação com o último pleito (pulou de 266 para 464 prefeitos). Também foram os que registraram o maior incremento de vereadores (6.346, 5.964 e 4.341), num aumento consistente de sua força política. A direita mais escancarada também avançou grandemente, especialmente o Republicanos, que dobrou sua representação, mas restrito aos pequenos currais eleitorais.

Por fim, o PSDB, embora com vitória em grandes centros (a ponto de governar uma parcela maior da população nos municípios do país), diminuiu consideravelmente o número de prefeituras (de 785 para 520).

No ápice da crise sanitária e econômica o que parece emergir deste pleito é o quase sepultamento do PT como força política eleitoral e o enfraquecimento de Bolsonaro, num certo cansaço dos “salvadores da pátria”, neste momento crucial do país. Aumentou o desencanto com a política e retornaram os velhos atores (Centrão).

A eleição é um mero retrato. Perdeu o PT e o PSDB, acabando com uma polarização do passado. Também Bolsonaro. Avançou a esquerda, alternativa ao PT, e principalmente a centro-direita: a grande vencedora.

A agudização das crises sanitária e econômica nos próximos meses podem radicalizar a aparente normalidade e o movimento do eleitorado para uma posição mais ao centro da vida política, alterando profundamente esta tendência.

 

Flávio Sant’Anna Xavier é procurador federal e escritor

TOP ∧
InComunidade

Revista InComunidade, Edição de Dezembro de 2020


FICHA TÉCNICA


Edição e propriedade: 515 - Cooperativa Cultural, ISSN 2182-7486


Rua Júlio Dinis número 947, 6º Dto. 4050-327 Porto – Portugal


Redacção: Rua Júlio Dinis, 947 – 6º Dto. 4050-327 Porto - Portugal

Email: geral@incomunidade.com


Director: Henrique Dória       Director-adjunto: Jorge Vicente


Revisão de textos: Filomena Barata e Alice Macedo Campos

Conselho Editorial:

Henrique Dória, Cecília Barreira, Clara Pimenta do Vale, Filomena Barata, Hirondina Joshua, Jorge Vicente, Loreley Haddad de Andrade, Maria Estela Guedes, Myrian Naves


Colaboradores de Dezembro de 2020:

Henrique Dória, Álvaro Alves de Faria, Adán Echeverria, Adel José Silva, Antônio Torres, Artur Alonso Novelhe, Beatriz Aquino, Caio Junqueira Maciel, Carlos Eduardo Matos, Carlos Matos Gomes, Cecília Barreira, Cruzeiro Seixas, Eurico Gonçalves ; Dalila d’Alte Rodrigues, Décio Torres Cruz, Dalila d’Alte Rodrigues, Denise Emmer, Edson Cruz, Elisa Scarpa, Federico Rivero Scarani, Fernando Andrade, Flávio Sant’Anna Xavier, Grupo Estilingues, Helena Barbagelata, Henrique Dória, Hermínio Prates, Joaquim Maria Botelho, Leila Míccolis, Lindevania Martins, Luís Filipe Sarmento, Mário Baggio, Mônica de Aquino, Marcelo Frota, Marco Antonio, Marcos Pamplona ; Helena Barbagelata, ilustração, Marinho Lopes, Myrian Naves, Nilma Lacerda, Paulo Martins, Ricardo Ramos Filho, Rogelio Pizzi ; Rolando Revagliatti, entrevista, Waldo Contreras López, Wil Prado, William Vanders, Wilson Alves-Bezerra


Foto de capa:

SALVADOR DALÍ, 'La persistencia de la memoria', 1931.


Paginação:

Nuno Baptista


Os artigos de opinião e correio de leitor assinados e difundidos neste órgão de comunicação social são da inteira responsabilidade dos seus autores,

não cabendo qualquer tipo de responsabilidade à direcção e à administração desta publicação.

2014 INCOMUNIDADE | LOGO BY ANXO PASTOR